O filme “O Diabo Veste Prada” (2006), baseado no bestseller literário de 2003 retrata a história de Andy Sachs (Anne Hathaway), uma jovem interiorana e recém formada em jornalismo que se muda para a Nova Iorque ao lado do namorado Nate (Adrian Grenier) em busca de um emprego.

Apesar de Andy ser totalmente fora dos padrões vigentes da moda, não se importar com o estilo de roupas que veste e não conhecer nada sobre os grandes estilistas surge então, a oportunidade de trabalhar para a revista de moda Runway Magazine para ser assistente da poderosa editora Miranda Priestly (Meryl Streep). A primeira impressão de Andy em relação à Miranda é de que trabalhar com a mais importante executiva da revista não seria algo tão fácil.
O filme apresenta os estilos de liderança de Miranda, ao qual destacam-se o autoritarismo, arrogância, perfeccionismo, pragmatismo e o sarcasmo, e possui  um papel de influência e comando na agência. Assim que os funcionários recebem a informação de que ela está chegando à empresa, começam a correr, desesperados, organizando seus papéis, mesa, café da manhã, etc., ou seja, o poder coercitivo também está presente, pois todos os funcionários temem as consequências de não cumprir algo que lhes foi solicitado pela chefia. Esse poder causa medo e constrangimento, a partir das punições que poderão sofrer.
Andy é escolhida para o cargo e, sofre muitas humilhações como qualquer funcionário de Miranda, mas com as informações e dicas recebidas de Emily (Emily Blunt), a outra assistente, começa a conhecer o estilo e regras que deve exercer. Emily conhece bem o perfil de Miranda e acaba sendo arrogante com a própria Andy. Ela acredita que Miranda irá levá-la à semana de Moda, em Paris, assim como nos outros anos, portanto o poder de Recompensa, aquele que as pessoas obedecem às outras, com o objetivo de receber algum benefício.
Eis que Andy recebe a ajuda de Nigel (Stanley Tucci), o diretor de moda da revista, que acaba transformando-a numa profissional elegante e bem-vestida e assim, unindo à sua competência acaba despertando a admiração de Miranda, que vê a assistente como a si própria e dá a ela a oportunidade de se tornar sua assistente principal e ir para a Semana de Moda em Paris para assessorá-la e que isso acaba não sendo alegria para Emily.

Mas, nem tudo é alegria para Andy, pois passa a ficar à disposição de Miranda 24 horas por dia, tanto para trabalhos profissionais quanto pessoais, por exemplo, fazer a lição de casa das filhas gêmeas de Miranda. Com isso, começa a ter conflitos com seu namorado e amigos, pois Andy busca a excelência profissional, atingindo seu limite de eficiência. Isto, negativamente, acaba afetando sua vida pessoal, o relacionamento amoroso e familiar, afastando-a do namorado e dos amigos. As influências de moda da revista também mudam seu estilo de roupa, um dos pontos de humilhação que padecia pelos seus companheiros e chefia de trabalho..
A posição hierárquica de Miranda na Runway Magazine é representada pelo poder legítimo, pois o papel dela dentro da revista é o maior, é ela quem dá as últimas ordens e faz as escolhas detalhadas.
Ela ganha a confiança e reconhecimento de Miranda, mas entrega sua vida ao cuidar da vida da poderosa chefa, que tem o poder do talento ao ser reconhecida como um mito da moda.
Miranda toma as decisões da revista, desconsiderando a opinião das outras pessoas, sendo dominadora, assumindo o estilo de liderança autocrática.
As forças que influenciam esse tipo de liderança no filme é o fato dela reconhecer que seus funcionários não mostravam iniciativa. Os projetos da Runway somente caminhavam quando ela estava presente. Quando ela se ausentava as atividades paravam. Por isso, ela utiliza e acredita neste perfil de líder, confiando em si mesma e no seu autoritarismo nas decisões.
Mesmo os funcionários sendo constantemente humilhados e submetidos há provas que testam diariamente a sua capacidade profissional, intelectual e pessoal, a modo que sua liderança fazia com que seus funcionários tivessem medo de expor suas próprias ideias e opiniões, mesmo que construtivas.
Carregando